Suspeito de estupro de vulnerável é preso pela Polícia Militar em Xambioá

Os policiais chegaram ao suspeito após uma denúncia anônima – BPMRED

O suspeito foi detido após patrulheiros do BPMRED receberem uma denúncia anônima por telefone de que um homem estaria praticando abuso contra uma criança em um matagal às margens da TO-164.
Nesta segunda-feira, 05 de julho, um homem foi preso pela Polícia Militar por suspeita de estupro de vulnerável em um matagal às margens da TO-164, na zona rural do município de Xambioá.

Segundo a vítima, um menino de 12 anos, ele estava catando latinhas nas margens da TO-164 quando ouviu o suspeito chamando por ele. Disse ainda que o homem estava pelado e se masturbava com uma das mãos insistindo para que o menor tivesse relações com ele.

Diante da negativa, o homem teria se aproximado e baixado as calças da criança para abusar dela, sendo que nesse momento ela disse que suspendeu as calças e correu em direção à sua residência. A princípio, o menino disse que não informou a ninguém por medo e constrangimento.

O suspeito foi apresentado na central de flagrantes de Araguaína – Foto: BPMRED

Em patrulhamento especializado pelo município de Xambioá, em mais uma etapa da Operação Hórus Vigia, uma equipe de patrulheiros do Batalhão de Polícia Militar Rodoviário e Divisas (BPMRED), foi informada via telefone por uma testemunha que teria presenciado o ocorrido.

Após a denúncia, os patrulheiros do RED solicitaram rapidamente o apoio de uma viatura da 2º Companhia e prontamente partiram para averiguar a situação.

Após chegarem ao local indicado pela testemunha, os policiais militares iniciaram as diligências em busca do suspeito, que foi localizado nas proximidades do suposto crime.

O homem foi detido e apresentado na Central de Flagrantes do município de Araguaína.

A criança de 12 anos, vítima do possível crime, sua responsável legal e uma equipe de conselheiros tutelares do município de Xambioá também compareceram à delegacia em Araguaína onde foram lavrados os procedimentos legais cabíveis ao caso.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp