Surto de covid fecha porto chinês, provoca filas e compromete abastecimento global

Um importante terminal de contêineres no porto de Ningbo-Zhoushan, na China, permaneceu fechado uma semana depois que as operações foram suspensas devido a um único caso de covid-19, com dezenas de navios enfileirados para carregar cargas para os mercados ocidentais antes da temporada de compras de fim de ano.

O congestionamento no terminal de Meishan, que não deve retomar totalmente as operações antes do final do mês, está se espalhando para outros portos como Xangai e Hong Kong, à medida que grandes operadores desviam os navios de Ningbo.
O efeito em cascata levará ao congestionamento dos portos ao longo das rotas da Ásia para a Europa e transpacífico, o que pode desacelerar ainda mais o fluxo de mercadorias. Ele também atingirá proprietários de cargas, de varejistas gigantes como Walmart Inc. e Amazon.com Inc. a pequenas lojas, que terão que lidar com atrasos nas entregas e custos de transporte mais altos enquanto trabalham para reabastecer antes do feriado.

“No momento, estamos prevendo atrasos de até duas semanas nas entregas de carga”, diz Nils Haoupt, porta-voz da gigante de boxe alemã Hapag-Lloyd AG. “Desviamos quatro navios, mas há uma corrida para atracar em outros portos e eles também estão congestionados”, complementa.

Ningbo é o terceiro maior porto de contêineres do mundo e uma grande porta de entrada para as exportações chinesas como móveis, produtos domésticos, brinquedos e peças automotivas com destino aos mercados dos Estados Unidos e da Europa. O terminal de Meishan é um dos maiores entre os sete terminais de caixas em Ningbo, movimentando mais de 7 milhões de caixas por ano. Outros grandes produtores de contêineres, como a A.P. Moller-Maersk A/S da Dinamarca e a francesa CMA CGM, também estão desviando navios do porto.

Em junho, a China fechou Yantian, um porto de contêineres em Shenzhen, depois de mais de uma dúzia de infecções por covid-19 entre os trabalhadores do porto. Em março, um bloqueio no Canal de Suez atrasou a entrega de mercadorias e agravou a falta de contêineres.

Zhang Jin, gerente de vendas da LumberLink, fornecedora de madeira serrada da Nova Zelândia, disse que o volume de exportação para a China caiu drasticamente durante a pandemia porque os produtores de móveis na China têm menos apetite por matérias-primas devido ao atraso no envio.

Um número crescente de depósitos de seus clientes chineses está cheio de produtos acabados que não podem ser despachados como contêineres e os custos de envio continuam aumentando, disse Zhang, que fica na cidade de Qingdao, no nordeste da China.

Os embarques para muitos países do sudeste asiático, como o Vietnã, também diminuíram nas últimas semanas, uma vez que a variante Delta fez com que os governos locais limitassem a capacidade de produção nas fábricas.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp