Solução para a crise de energia e preservação do ambiente

A crise energética deste ano é a mais grave desde a do petróleo no Oriente Médio entre 1973 e 1979. Como aquela calamidade, esta promete infligir sofrimento no curto prazo e, a longo prazo, transformar o setor de energia. O sofrimento é quase garantido: devido aos preços altos dos combustíveis e da energia, a maioria dos países está enfrentando crescimento lento e apático, inflação, apertos nos padrões de vida e uma reação política feroz. Mas as consequências a longo prazo estão longe de ser inevitáveis. Se os governos reagirem de forma inadequada, podem desencadear um retrocesso em relação aos combustíveis fósseis que tornaria ainda mais difícil estabilizar o clima. Em vez disso, eles devem seguir um caminho perigoso que combine a segurança do fornecimento de energia com a segurança climática.

Na Europa, o que há muito tempo era imaginado como um pesadelo com noites congelantes de inverno, deu lugar a um sonho febril de verão. Uma onda de calor levou a demanda espanhola de gás a níveis quase recordes, ainda que em 14 de junho a Rússia tenha começado a reduzir o fluxo de gás do gasoduto Nord Stream 1 para a Europa Ocidental, fazendo com que os preços subissem 50% e aumentando os temores de que o racionamento talvez possa ser implementado ainda este ano. Em outros lugares, os americanos estão pagando US$ 5 por um galão de gasolina (€1,25 por litro), alimentando a inflação que as pesquisas de opinião dizem ser a maior preocupação e a pior dor de cabeça do presidente Joe Biden. O mercado de energia da Austrália apresentou falhas. Há escassez e fragilidade onde quer que se olhe.

Crises energéticas podem se tornar catástrofes políticas. Talvez um terço da inflação do mundo rico de 8% seja explicada pelo aumento dos custos com combustível e energia. As famílias com dificuldades para pagar as contas estão irritadas, levando a políticas destinadas a protegê-las e ao aumento da produção de combustíveis fósseis, por mais poluentes que sejam.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp