Sindicato diz que auditoria do Plansaúde tem o objetivo de descredibilizar os hospitais envolvidos

O Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos em Serviços de Saúde do Tocantins (SINDESSTO) fez uma nota de contestação sobre as informações mostradas por uma auditoria realizada nas contas do Plansaúde, dos anos de 2017 a 2020. O sindicato alega que o Governo distorceu a realidade dos fatos e a auditoria foi tendenciosa, tendo o claro objetivo de prejudicar e descredibilizar os hospitais envolvidos nas denúncias.

Ainda em nota, o SINDESSTO destaca que todas as consultas feitas pelo Plansaúde, passam por diversas auditorias, com enfermeiros e médicos, antes de serem aprovados e pagas pela operadora do plano ao hospital. “Os dados apurados vão para o sistema onde é informada a chamada conta limpa, referente ao que realmente é devido. Uma vez que isso chega ao sistema do plansaúde/servir, são aplicadas as glosas não técnicas, depois tudo é enviado ao plano de saúde onde é realizada nova auditoria”, expôs.

De acordo com o sindicato, “lá eles aplicam glosas livremente, também não técnicas, e, ao final, o plano envia um e-mail ao hospital informando o valor para o qual a nota fiscal deve ser extraída, para, só assim, o pagamento ser efetuado”. O Sidessto expõe os escândalos de corrupção e extorsão praticadas pelo governo afastado em desfavor dos hospitais tocantinenses, “que eram obrigados a destinar parte de seus lucros ao governo para não deixarem de receber pelos serviços prestados aos usuários do Plansaúde”. Devido a prática criminosa, a parte do Plansaúde era dificultar a autorização dos serviços para forçar os prestadores a pagarem por ela.

O sindicato também alega que a auditoria está sendo realizada de forma unilateral e que prestadores não tiveram o direito da contradição e ampla defesa, ao final da nota, o representante do sindicato afirma “os prestadores vêm há anos sobrevivendo sem os valores devidos pelo Plansaúde, e alguns, mesmo sem receber, não deixaram de atender seus usuários, ficando no prejuízo, em respeito à vida, à saúde e aos valores de cada prestador”.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp