Richarlison decide contra a Arábia Saudita, e Brasil avança como líder

Imagens: Lucas Figueiredo/CBF

A seleção brasileira venceu a Arábia Saudita por 3 a 1, hoje (28), e garantiu classificação para as quartas de final do futebol masculino nas Olimpíadas de Tóquio. Os gols foram marcados por Matheus Cunha e Richarlison (duas vezes), enquanto Al-Amri descontou para o rival, em Saitama. Richarlison, aliás, se isolou na artilharia da competição com cinco gols. O resultado classifica o Brasil como líder do Grupo D com sete pontos somados. A Costa do Marfim avança em segundo e a atual vice-campeã olímpica Alemanha já fica pelo caminho.
O jogo das quartas de final das Olimpíadas será no sábado (31), às 7h, novamente em Saitama, contra o Egito, que se classificou em segundo lugar no Grupo C que eliminou a Argentina.
Como Douglas Luiz está suspenso, a seleção brasileira atuou com Matheus Henrique no meio-campo, o que obriga Bruno Guimarães a ficar mais recuado como primeiro volante. Apesar da mudança de posicionamento, o jogador do Lyon-FRA foi o destaque do time com uma precisão nas ações próxima de 90%, passes decisivos, bolas longas e disposição física. Foi premiado com uma assistência para Richarlison já no segundo tempo.

Problemas pelo alto
Há algo a ser resolvido na defesa da seleção em jogadas de bola aérea. Foram dois gols sofridos contra a Alemanha em falhas individuais de Santos e Diego Carlos e mais uma do zagueiro hoje no gol da Arábia Saudita, aos 26 minutos do primeiro tempo. Depois de uma falta cobrada pela direita, o zagueiro do Sevilla saltou, mas errou o tempo de bola e permitiu que Al-Amri aparecesse entre ele e Daniel Alves. Essa insegurança pelo alto e as decisões ruins de Diego Carlos precisam ser melhor trabalhadas antes do mata-mata.
Só engrenou no fim Um movimento já conhecido da seleção nestas Olimpíadas rendeu as principais ações ofensivas contra a Arábia Saudita: com a bola, Claudinho sai da esquerda para o centro e abre o corredor para as passagens de Arana — o mesmo vale para Antony e Daniel Alves do outro lado. É uma estratégia, como qualquer outra, com perdas e ganhos. Primeiro o Brasil viu os ganhos, com o gol marcado por Matheus Cunha num escanteio gerado pela presença ofensiva de Arana. O lateral-esquerdo ainda serviu Antony numa bola rápida que terminou com cabeceio no travessão.
O empate dos sauditas saiu numa falha da defesa que já tinha sido observada na estreia contra a Alemanha, mas a dificuldade do Brasil no jogo estava além disso. É aí que aparecem as perdas do movimento que inibe os pontas: por precisarem abrir corredor, Antony e Claudinho não conseguiam finalizar as jogadas. Eles preparavam, abriam espaço e apoiavam os centroavantes pelo centro, mas faltava profundidade e chute. A melhor chance antes do intervalo foi com passe de Matheus Cunha que Antony recebeu dentro da pequena área e Al-Bukhari defendeu.
Por mais que o problema fosse na estratégia, a solução de André Jardine para o segundo tempo foi a entrada de Malcom no lugar de Antony. O substituto circulou mais pelo ataque e o desempenho melhorou. O time acertou mais uma bola na trave com Matheus Cunha no rebote de um chute de Matheus Henrique e depois a seleção lançou Reinier. Uma jogada pelo alto concluída por Richarlison deu paz para a equipe nos minutos finais, numa atuação mais solta do que foi até então.
Tanta paz que Richarlison fez um gol anulado por impedimento aos 44 e outro validado aos 47 num toque bonito de Reinier.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp