Polícia investiga bebês que foram trocados em Aparecida de Goiânia

Polícia Civil aguarda resultado do DNA mas alega que “houve quebra de protocolo”.

A Polícia Civil deu início nesta quinta-feira (27) a uma investigação acerca de uma possível troca de bebês em um hospital de Aparecida de Goiânia. A delegada Bruna Coelho, alega que espera o resultado do DNA e espera identificar se a troca foi ou não intencional.

O Hospital São Silvestre disse em nota que houve quebra de protocolo no local mas que, quando percebido, todas as famílias envolvidas foram avisadas. Além disso, a unidade de saúde abriu um processo administrativo para apurar os fatos e os possíveis envolvidos, já foram suspensos.

O advogado de uma das famílias contou que ambos os bebês nasceram no dia 29 de dezembro de 2021 e desde então, as famílias estão aflitas com a possível troca. “As mães estão muito desestabilizadas. Não sabemos como serão as reações das famílias. Já tem toda uma questão de apego e afeto com os bebês”, disse o advogado.

A defesa informou que quando a mãe chegou no quarto, após o parto, a criança já estava com a irmã mas, minutos depois, enfermeiros e funcionários começaram a questioná-la sobre as características do pai do bebê. Horas depois, o diretor do hospital foi até o leito da mulher e informou da possível troca e garantiu que seria feito um exame de DNA mas enquanto o resultado não saia, a mãe deveria levar o bebê para casa e “cuidar como se realmente fosse o filho dela”, relatou o advogado.

O advogado ainda contou que o exame saiu na última segunda-feira (24) mas a advogada do hospital não entregou os exames “alegando que deveria ser feita uma contraprova”. Contudo, em nota, o Hospital informou que o resultado foi sim mostrado às famílias, “todavia, devido à emoção da situação vivenciada, não foi entregue qualquer documento”.

A família decidiu registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil e para a surpresa, quando chegaram à delegacia, descobriram que o hospital já havia feito um registro e o caso já estava sendo investigado.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp