Operação Tuup: Grupo suspeito de tráfico internacional não apresentava planos de voo

Quadrilha colocava espaço aéreo em risco.

A operação Tuup revelou que o grupo de traficantes investigados por tráfico internacional de drogas fazia voos de forma clandestina, sem declarações e registros de planos de voo, colocando o tráfego aéreo em risco.

Até o momento, três investigados foram presos em Porangatu (GO) e R$ 82 mil foram apreendidos na casa de um piloto em Sorocaba (SP). O dinheiro estava escondido dentro de uma panela. O suspeito de ser líder do grupo ainda não foi encontrado, morador de Palmas, Cleanto Carlos de Oliveira é considerado um foragido.

Segundo a investigação, os aviões não possuíam planos de voos registrados perante ao órgão competente da aeronáutica, fazendo voos domésticos e internacionais sem registros. O último avião do grupo indicava saída de Salvador (BA) com destino à Barreira (BA), mas foi localizado em Nova Ubiratã (MT) sem retificação no plano. Outros dois aviões foram encontrados incendiados em países da América Central.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp