‘Inflação é a chave para sustentação de um presidente’, diz cientista político

No livro A mão e a luva – o que elege um presidente (editora Record), o cientista político Alberto Carlos Almeida defende a tese de que as percepções do eleitor médio estão em consonância com a economia real e o controle da inflação é fator determinante para o sucesso ou fracasso de qualquer projeto de poder. Sob essa perspectiva, Almeida diz acreditar que as recentes medidas patrocinadas pelo presidente Jair Bolsonaro não serão suficientes para reelegê-lo.

Na eleição passada, a corrupção falou mais alto que a inflação na hora do voto. Em 2022, qual será o elemento principal?

Em 2018, a corrupção teve impacto por causa da inflação e da economia. Teve escândalos de corrupção em outras eleições, como o mensalão, mas era uma situação de bonança econômica. O aprendizado que tivemos no livro é que, se for preciso escolher uma coisa para se dar bem como presidente e manter a popularidade alta, é a inflação. Controlar a inflação não é tudo, mas tudo sem controlar a inflação não é nada. A inflação é o elemento-chave para a sustentação de um presidente da República.

A injeção de dinheiro com programas de transferência de renda ajuda o presidente a três meses da eleição, apesar da inflação?

Ou a maior parte da opinião pública quer mudança, ou continuidade. Neste ano, a maior parte quer mudança. Eu acho difícil que as medidas que estão sendo tomadas mudem o humor da mudança para a continuidade. Isso só aconteceu uma vez em ano eleitoral: em 1994, com o Plano Real. Até junho daquele ano, a grande maioria do eleitorado queria mudança. Mas em julho houve a troca do papel-moeda, e a inflação caiu de 30% para 5%. A contenção da inflação fez o que era um desejo majoritário de mudança virar desejo de continuidade. Foi a única vez. Não acredito que vai acontecer de novo agora.

Ser de esquerda ou direita, conservador ou progressista, define uma eleição?

Tem três eleitorados: o que sempre vota na direita, o que sempre vota na esquerda e o que alterna. Esse da direita sempre votou no PSDB, mas em 2018 foi para o Bolsonaro. O da esquerda sempre votou no PT. Quem decide a eleição é esse que muda de voto. O centro está na opinião pública, e não nas candidaturas.

Existe espaço fora da polarização nesta eleição?

Em três eleições a terceira via teve em torno de 20% dos votos válidos – com Anthony Garotinho e Marina Silva. Toda terceira via é oposição ao governo por definição. Sendo assim, ela precisa tirar votos do candidato de oposição. Quem vota na oposição avalia o governo como ruim ou péssimo. Ou seja: para crescer, a terceira via tem que atrair as pessoas que avaliam Bolsonaro como ruim ou péssimo e votam no Lula. Tem de tirar votos do Lula, e não do Bolsonaro. Isso é lógica pura. Os 25% que estão satisfeitos com Bolsonaro vão votar nele. Para tirar voto do Lula, você não pode atacá-lo. O eleitor do Lula fica irritado. Para crescer, a terceira via tem que atacar o Bolsonaro, e não o Lula. Ela tem que ser vista como uma oposição melhor do que o Lula. Mais contundente.

Ciro Gomes tem atacado os dois – Lula e Bolsonaro –, enquanto Simone Tebet diz “eles não”. Como avalia essas estratégias?

A eleição se divide entre uma candidatura de governo e várias de oposição. O candidato da terceira via precisa se assumir como oposição. Quando Ciro ataca Lula, gera rejeição entre os eleitores do Lula. Ele não vai tirar votos do Lula. Teria que apresentar a imagem de uma oposição melhor do que o ex-presidente. Não se tira votos do Lula batendo nele. É um erro total atacar Lula e não atacar com dureza Bolsonaro. É um erro tergiversar no ataque a Bolsonaro.

Há chances de que a polarização seja quebrada?

Está muito em cima. Se você abrir todas as pesquisas públicas e fizer o cruzamento, vai ver que 90% dos que avaliam o governo Bolsonaro como ótimo e bom votam nele, e 80% do que avaliam como ruim e péssimo votam em Lula. O eleitor já está distribuído. Quem avalia como regular vota mais em Lula do que em Bolsonaro.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp