Desmatamento ilegal área desmatada no TO equivale a quase 30 mil campos de futebol

O levantamento foi possível com o uso de ferramentas de geotecnologia. Os técnicos compararam alertas de satélites do Mapbiomas com dados de cadastros rurais, que indicam a localização das fazendas e também com sistemas dos órgãos ambientais.

Oito em cada dez donos de terra que desmataram no Tocantins no ano passado não tinham autorização para retirada da vegetação. O total de área desmatada ilegalmente equivale a quase 30 mil campos de futebol. O dados estão em um relatório do Ministério Público do Estado (MPE). Em algumas áreas a devastação foi tão grande que não ficou nenhuma árvore em pé.

“A gente então faz o cruzamento com várias outras informações de outras instituições. Do Ibama, do órgão ambiental o Naturatins, então a gente vai fazendo um filtro e vamos, digamos assim, limpando essa informação”, explicou o biólogo analista do Mapbiomas, Marlon Rodrigues.

Com as informações dos satélites é possível não apenas saber quando e onde houve o desmatamento, mas também identificar o proprietário e fazer um comparativo sobre como eram as áreas fiscalizadas e como estão atualmente.

Uma das comparações mostra que em outubro de 2020 uma área estava toda verde. Ao lado, no ano passado, a área não apresentava mais nenhuma árvore. “É a mesma coisa de uma foto de uma placa de carro de alguém que avança o sinal e tem ali um radar identificando”, comentou José Maria da Silva Júnior, procurador de justiça e coordenador do Centro de Apoio Operacional do Meio Ambiente (Caoma).

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp