Críticas de Bolsonaro a manifesto ecoam reação de ditadura a carta de 1977

Quase meio século separa o manifesto pela democracia e a Carta aos Brasileiros de 1977, que a inspirou, mas são muitas as semelhanças na reação dos governantes nos dois momentos.

Se Jair Bolsonaro (PL) referiu-se ao documento como “cartinha”, o então líder da ditadura no Senado, Eurico Resende, menosprezou o texto, chamando-o de “carta, bilhete, ofício ou nome que o tenha”. “Nunca dei importância a manifestos”, ecoou o também governista José Bonifácio (Arena-MG).

Também há eco nas juras dos governos de turno de respeito à democracia e à Constituição. “Nosso caminho é a democracia, a liberdade, respeito à Constituição”, disse Bolsonaro.

“Temos uma ordem constitucional convivendo com a ordem revolucionária, e ambas são legítimas”, afirmou o então presidente da Arena, partido oficial, Francelino Pereira.

Ambos os governos viram ainda interesses ocultos no timing das manifestações. Bonifácio, que era líder da ditadura na Câmara, disse que “publicar o documento nesta hora é parte da ação comunista no mundo”. Para Bolsonaro, é “uma nota política em ano eleitoral”.

Nesta quinta (28), o presidente ironizou o manifesto em um texto com apenas 27 palavras, publicado em uma rede social.

“Carta de manifesto em favor da democracia. Por meio desta, manifesto que sou a favor da democracia. Assinado: Jair Messias Bolsonaro, presidente da República Federativa do Brasil”, escreveu.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp