Cerrado: o que é e suas características

O Cerrado constitui a segunda maior formação vegetal brasileira em extensão. Caracterizado como vegetação de savana na classificação internacional, esse bioma estende-se por cerca de dois milhões de quilômetros quadrados, representando 22% do território brasileiro. Por estar em uma área de transição com outros biomas, o Cerrado apresenta fitofisionomias variadas. Ao norte, faz divisa com o bioma Amazônia; a leste e a nordeste, com a Caatinga; a sudoeste com o Pantanal; e a sudeste com a Mata Atlântica.

Localização do Cerrado

No Brasil, a área contínua do Cerrado incide sobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além de encraves no Amapá, Roraima e Amazonas (juntos, eles constituem o Cerrado brasileiro). Nesse espaço territorial encontram-se as nascentes das três maiores bacias hidrográficas da América do Sul (Amazônica/Tocantins, São Francisco e Prata), o que resulta em um elevado potencial aquífero e favorece a biodiversidade do Cerrado.

Além de estar presente no nosso país, o bioma Cerrado também inclui parte do nordeste do Paraguai e leste da Bolívia. O Cerrado também localiza-se em uma região em que existem grandes aquíferos, como o Guarani e o Bambuí. Por isso, esse bioma é considerado berço das águas.

As formações florestais do Cerrado são resultado de uma mistura de fatores temporais e espaciais. Na escala temporal, grandes alterações climáticas e geomorfológicas teriam causado expansões e retrações das florestas úmidas e secas da América do Sul, originando-o. Já na escala espacial, essas formações seriam influenciadas por variações locais na hidrografia, topografia, profundidade do lençol freático e fertilidade e profundidade dos solos.

Solos do Cerrado

Os solos do Cerrado são antigos, profundos e drenados, com predominância de latossolos, podzólicos e areias quartzosas. O teor de matéria orgânica na maioria desses solos é pequeno, variando de 3 a 5%. Além disso, os solos do Cerrado são ácidos, pouco férteis e apresentam altos níveis de ferro, manganês e alumínio.

De acordo com estudiosos, a baixa fertilidade dos solos do Cerrado é agravada pelo transporte do cálcio às regiões profundas, aumentando a deficiência desse nutriente na superfície. Essa falta de cálcio é responsável por limitar o crescimento das plantas da região.

Clima do Cerrado

O clima do Cerrado pode ser considerado estacional. Isso significa que ele possui duas estações bem definidas, sendo os invernos secos e os verões chuvosos. Esse bioma apresenta média pluviométrica anual de 1500 mm, variando entre 750 a 2000 mm. As temperaturas médias do Cerrado, por sua vez, variam de 20 a 26 °C. Além disso, a umidade relativa do ar atinge níveis muito baixos no inverno e muito altos no verão.

Fitofisionomias e diversidade biológica do Cerrado

O Cerrado possui uma grande variedade biológica. Apresenta cerca de 837 espécies de aves, 185 espécies de répteis, 194 espécies de mamíferos e 150 anfíbios. Os principais representantes da fauna do Cerrado são tucano, tamanduá-bandeira, lobo-guará, onça-parda e veado-campeiro. Apesar da grande variedade, a fauna do Cerrado não é totalmente conhecida, principalmente em relação ao grupo de invertebrados.

Em relação à flora, estudiosos estimam que há cerca de dez mil espécies de vegetais que já passaram por identificação. Muitas espécies são usadas para fins medicinais e para alimentação. Os principais representantes da flora do Cerrado são ipê, cagaita, angico, jatobá, pequi e barbatimão.

O Cerrado apresenta vegetação distribuída em formações savânicas, florestais e campestres. As espécies variam entre plantas arbóreas, herbáceas, arbustivas e cipós. Além das árvores de troncos tortuosos, existem também cactos e orquídeas nesse bioma brasileiro. A vegetação do Cerrado apresenta tonalidades de verde, amarelo e tons amarronzados, que são resultado da descoloração causada pela incidência solar na região.

Preservação do Cerrado

Apesar da riqueza biológica do Cerrado, diversas espécies de plantas e animais correm risco de extinção. Estima-se que 20% das espécies nativas e endêmicas já não ocorram em áreas protegidas e que pelo menos 137 espécies de animais típicas do Cerrado estão ameaçadas de extinção, incluindo a onça-pintada. Depois da Mata Atlântica, o Cerrado é o bioma brasileiro que mais sofreu alterações com a ocupação humana, de acordo com o Ministério do Meio Ambiente.

Vale ressaltar que o Cerrado é o bioma que possui a menor porcentagem de áreas sobre proteção integral. O bioma apresenta apenas 8,21% de seu território legalmente protegido por unidades de conservação; desse total, 2,85% são unidades de conservação de proteção integral e 5,36% de unidades de conservação de uso sustentável, incluindo uma Reserva Particular de Patrimônio Natural (0,07%). Por isso, é necessária a implantação de políticas públicas que busquem a preservação da grande biodiversidade da região.

A abertura de nova áreas para incrementar a produção de carne e grãos tem causado um progressivo esgotamento dos recursos naturais da região. Nas três últimas décadas, o Cerrado vem sendo degradado pela expansão da fronteira agrícola brasileira. Além disso, o bioma Cerrado sofre uma intensa exploração de seu material lenhoso para produção de carvão.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp