As 7 crises que pressionam o governo Bolsonaro no 7 de setembro

Bolsonaro posa para fotografia com o policiais militares.

Nas últimas semanas, apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) começaram a se movimentar com um objetivo: as manifestações marcadas para 7 de setembro em todo o Brasil.

Os eventos no feriado tinham, oficialmente, intenção de mobilizar o apoio a Bolsonaro. Do lado da oposição, a movimentação foi encarada desde o início com preocupação, especialmente a partir do momento em que policiais militares passaram a se posicionar favoráveis ao presidente da República.

A agenda do 7 de Setembro ocorre ao mesmo tempo em que o governo Bolsonaro se vê engolido por diversas crises. Mesmo com o apoio de uma base sólida, o chefe do Executivo encara uma pressão cada vez maior frente em diversas frentes.

Entenda as sete crises que envolvem Bolsonaro neste 7 de setembro:

1. A crise econômica e o impacto no seu bolso
A queda do PIB, aliada à inflação, ao desemprego e à instabilidade política, faz com que a recuperação projetada para o pós-pandemia perca fôlego –e as previsões para o futuro não sejam tão animadoras assim.
Economistas são unânimes ao afirmar que economia e política nunca andam separadas. Mas o clima de conflito crescente entre o governo Bolsonaro e as instituições, assim como as ameaças feitas pelo presidente às eleições de 2022, aumentam a percepção de risco dos investidores.

2. A crise sanitária e a condução da pandemia
Sem o número suficiente de vacinas, com a resistência ao uso de máscaras de proteção e desrespeito ao distanciamento social, índices de casos e mortes –que estão caindo– podem voltar a crescer.
E o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que ainda não se vacinou, segue atacando medidas de prevenção ao coronavírus, provocando aglomerações e defendendo tratamentos precoces ineficazes.

3. A crise entre Poderes e os desdobramentos com STF e Congresso
Na última semana, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) aproveitou suas aparições públicas para incitar manifestantes a participarem de atos contra o STF (Supremo Tribunal Federal) e o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), ameaçando “jogar fora das quatro linhas da Constituição” se achar necessário.
E, apesar de uma aproximação de Bolsonaro com partidos do Centrão e até uma possível fusão de partidos para garantir governabilidade, o governo sofreu várias derrotas recentes em votações na Câmara Federal: caso do voto impresso e no “distritão”.

4. A crise nacionalizada com governadores e prefeitos
A tensão entre os três Poderes, também agravada pelos atos de 7 de setembro, é outro fator que preocupa os governos locais. Sendo assim, o Fórum Nacional de Governadores decidiu solicitar uma reunião com o presidente para acalmar os ânimos. Entretanto, até hoje, não houve resposta. A disputa com os governadores não é recente, e envolve a condução da pandemia e até mesmo o preço da gasolina.
5. A crise hídrica e o impacto no abastecimento de energia
O impacto ambiental afetou a situação hídrica de agosto, provocando crise nos reservatórios do Brasil. Sem água, as hidrelétricas trabalham menos. A situação gerou um cenário de instabilidade e tornou iminente a possibilidade de falta de energia elétrica no segundo semestre.

6. A crise familiar e a presença dos filhos no noticiário
Além das atitudes consideradas controversas politicamente pelos seus opositores, a chama do caldeirão de polêmicas do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) é alimentada pelo noticiário que envolve a sua família, principalmente os quatro filhos e pessoas que convivem em seu entorno.
As denúncias envolvendo o presidente e sua família têm colaborado para derrubar a aprovação à gestão do Planalto, que chegou ao menor índice (27%) desde que a pesquisa feita pelo PoderData começou a ouvir eleitores em seus levantamentos.

7. A crise das Relações Exteriores e as portas do mundo fechadas
Apesar de o atual ministro de Relações Exteriores, Carlos Alberto França, estar empenhado em apagar os incêndios da política externa brasileira e reparar a deterioração da imagem do país no mundo, os danos causados pelo ex-chanceler Ernesto Araújo ainda estão distantes de serem contornados.
Em seus seis meses no cargo, França deu estabilidade ao Itamaraty, mas o país ainda é visto não só como uma espécie de pária, mas também como uma ameaça sanitária, ambiental e política, justamente por causa da instabilidade provocada pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ao ameaçar as instituições, afugentando investidores.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp