Afegão caminha mais de 20 dias em tentativa de chegar à Europa

Grupos de homens jovens chegam a todo momento na fronteira do Irã com a Turquia, vindos do Afeganistão, com o objetivo de chegar à Europa. Ahmed, de 12 anos, faz parte de um desses bandos. Ele caminha há vinte dias para tentar alcançar seu propósito.

Com ferimentos nas pernas depois de tropeçar no arame farpado deixado pelos turcos na fronteira, Ahmed, de 12 anos, chora. Ele agora está com um grupo de amigos que conheceu na noite passada, depois de fugir da polícia.
Esse grupo encontrado pelo repórter Yan Boechat é composto por uma maioria de adolescentes que chegaram há poucos dias ao país. Eles viajavam sozinhos e estavam em uma casa, mas policiais apareceram para tentar prendê-los na última noite, e foi quando a maior parte deles se conheceu.

Ahmed e seus amigos sabem que buscar apoio médico é certeza de ser preso e deportado.

Debaixo de uma ponte já a mais de 100 quilômetros da fronteira, Saboon Afghan está confiante que terá destino melhor que seus compatriotas que perderam a vida nas montanhas.

Ele é o líder de um outro grupo de jovens afegãos. Cada um deles pagou R$ 1 mil para que os coiotes os levem em segurança da fronteira com o Irã até Istanbul. Dormiram no local e aguardavam o sol cair para serem pegos pelo homem responsável pela travessia e seguir viagem noite a dentro pelas estradas turcas escondidos em um caminhão.

Saboon também carrega marcado no corpo a razão pela qual está cruzando parte do continente asiático em busca de uma vida melhor. No ombro, marcou as iniciais de seu amor. “Somos noivos e um dia eu vou voltar ao Afeganistão para buscá-la. Ela está me esperando”, conta.

Ashraf conseguiu deixar o Afeganistão antes de o Talibã começar a controlar o país, pois viu que não havia outra alternativa. “A impressão que tenho é que metade do Afeganistão está vindo para cá, são muitos, muitos, logo chegarão aqui”, conta.

A situação desses afegãos não é nada fácil, já que o governo local colocou mais de seis mil soldados nas áreas de montanhas para procurar os refugiados. Muitos deles são capturados e levados aos centros de deportação, que estão lotados.

Desde que o Talibã tomou o controle do Afeganistão, depois de duas décadas em guerra com os Estados Unidos, cerca de 100 mil pessoas já deixaram a nação.

Compartilhe com facebook
Compartilhe com twitter
Compartilhe com linkedin
Compartilhe com skype
Compartilhe com telegram
Compartilhe com whatsapp